A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Only variable references should be returned by reference

Filename: core/Common.php

Line Number: 257

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/kelle/dhpaz.org/system/core/Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/kelle/dhpaz.org/system/core/Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

A partir da prisão com meu pai, aos 17 anos, me tornei efetivamente um militante de esquerda.

A partir da prisão com meu pai, aos 17 anos, me tornei efetivamente um militante de esquerda.


Nome: Ildeu Manso Vieira Junior

Profissão: Professor

Idade: 55 anos

ILDEU MANSO VIEIRA JUNIOR tinha dezessete anos quando foi preso junto com seu pai, Ildeu Manso Vieira, em 14 de Setembro de 1975 e levado para um centro clandestino de tortura do exército em Curitiba. As prisões faziam parte da Operação Marumbi que desmantelou o PCB no Paraná e promoveu sequestros e as mais bárbaras formas de tortura, deixando um rastro de destruição física e emocional.

“Aquele foi o dia mais longo da minha vida e que ainda não acabou”, afirma Ildeu. Para ele, aquele dia representou um rito de passagem para a construção da sua própria história de militância e resistência à ditadura militar. Estão vivos na memória de Ildeu os momentos no cárcere em que presenciou pessoas conhecidas que estavam sendo vítimas de tortura. “Vi as pessoas sendo levadas para a sala de interrogatórios e pude ouvir os gritos de meu pai. Muito triste tudo aquilo”. Depois de várias horas preso no Quartel do Exército, ele foi solto.

 

Ao chegar em casa, Ildeu se deparou com a família mantida refém por agentes à paisana, que depois de muita truculência e ameaças partem levando livros e outros objetos. “Fomos procurar ajuda na OAB e ninguém sabia nada, pois era uma operação clandestina. Foram muitos dias de incertezas e incomunicabilidade”, relembra. Quando puderam visitar o pai na prisão, encontraram um homem magro e psicologicamente abatido.

 

A partir deste momento, Ildeu deixou os estudos para trabalhar. “Mudei toda a minha vida. E nessa mudança, a ditadura conseguiu calar a voz do meu pai, mas despertou quatro vozes, a minha e de meus irmãos”, afirma. Ildeu engajou-se no MR-8, na campanha pela Anistia no CBA - CURITIBA, no movimento estudantil, na venda de jornais alternativos, nos comícios relâmpagos e pixações contra a ditadura militar. Coerente continua ainda hoje com os mesmos sonhos da juventude por um mundo mais justo e melhor.

 

 

Voltar para depoimentos

Visite-nos:

Rua Voluntários da Pátria, 475, Ed. Asa

Escritório: conjunto 1209, 12º andar

Mini auditório: conjunto 608, 6º andar

Centro - Curitiba/Pr - 80020-000

Fone: ++ 41 3079-1759