A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Only variable references should be returned by reference

Filename: core/Common.php

Line Number: 257

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/kelle/dhpaz.org/system/core/Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/kelle/dhpaz.org/system/core/Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

Depoimento para a História - A resistência à ditadura militar no Paraná

Depoimento para a História - A resistência à ditadura militar no Paraná


Nome: José Carlos Mendes

Profissão: Empresário

Idade: 62 anos

JOSÉ CARLOS MENDES iniciou a militância ainda muito jovem, participando das manifestações que sacudiram Curitiba e o país, em 1968, como membro do movimento secundarista e do movimento estudantil livre, à margem da UPES. Juntamente com outros secundaristas, vinculou-se inicialmente à AP participando de pequenos comícios relâmpagos, panfletagens e pichações. Por intermédio de Júlio Covello foi recrutado para a VPR, comando Juarez de Brito, adquirindo conhecimentos básicos de guerrilha. Cumpriu algumas tarefas, como em 1971 levar ao Chile a família do falecido Walter Ribeiro. Em momento de desagregação da organização ele próprio deixou o país pela Argentina, rumando ao Chile. Lá, contatou o comando da VPR que decidiu retê-lo, treinando-o nas Cordilheiras dos Andes.

Agindo com um pequeno grupo dentro da organização, mas à revelia de suas lideranças, retornou ao Brasil entre 1972 e 1973 pela cidade de Guaíra, como “José Maria Santos”, com o intuito de avaliar o terreno para a preparação da guerrilha rural e retomar os contatos feitos anteriormente por Aluízio Palmar. Essa célula da VPR (se é que pode ser chamada dessa forma) passou a trabalhar com argentinos e paraguaios (ERP e Movimento Popular), mapeando a rotina do ditador Stroessner, com o intuito de assassiná-lo. Contudo o plano foi abortado. Com o golpe no Chile, Mendes tentou participar da resistência, mas logo concluiu a iminência da derrota e partiu para o exílio na Holanda. Na Europa, aproveitou uma bolsa para dar prosseguimento nos estudos e, juntamente com outros sul-americanos, participou de comitês de solidariedade.

Após meia década no exílio, Mendes articulou sua volta ao país com Leonel Brizola, entrando por Foz do Iguaçu após a lei de Anistia. Essa parceria com o líder gaúcho foi estendida e Mendes participou dos esforços iniciais para viabilizar e expandir o PDT no estado e no país, compondo comissões organizadoras. A trajetória do jovem revolucionário Mendes merece ser ouvida com mais detalhes.

Voltar para depoimentos

Visite-nos:

Rua Voluntários da Pátria, 475, Ed. Asa

Escritório: conjunto 1209, 12º andar

Mini auditório: conjunto 608, 6º andar

Centro - Curitiba/Pr - 80020-000

Fone: ++ 41 3079-1759