A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Only variable references should be returned by reference

Filename: core/Common.php

Line Number: 257

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/kelle/dhpaz.org/system/core/Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/kelle/dhpaz.org/system/core/Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

Depoimento para a História - A resistência à ditadura militar no Paraná

Depoimento para a História - A resistência à ditadura militar no Paraná


Nome: Cândido Gomes Gaya

Profissão: Aposentado

Idade: 68 anos

Paulista de Itararé, CÂNDIDO GOMES GAYA chegou ao norte do Paraná, em Mandaguari, na década de 1950. Sua vida política começa quando parte para estudar em Curitiba, primeiro no Colégio Estadual do Paraná e depois na Universidade Federal do Paraná, onde ingressou no curso de Direito em 1965.

E foi na UFPR, em meio à agitação do movimento estudantil que lutava contra a ditadura e o modelo MEC-USAID de reforma universitária proposta pelos militares, que Cândido se aproximou do Partido Comunista Brasileiro e da célula de quinze componentes da Federal. “Fui indicado como elemento do PCB para participar do encontro em Petrópolis, no Rio de Janeiro”, lembra.

Com uma militância intensa e com dificuldades para se manter na capital, trancou o curso no segundo ano e passou a trabalhar para sobreviver. Junto com Fábio Campana, o ‘Zapatão’, Cândido, o ‘Zapatinha’, toca um projeto de cinema experimental. Em 1968, ambos partem para o sudoeste paranaense, orientados por integrantes do MR-8, para organizar a luta armada na tríplice fronteira. Após o fracasso da empreitada, que culminou com a prisão dos guerrilheiros, Cândido foge para o Rio de Janeiro e o grupo cessa suas atividades.

Ignorando os perigos, Zapatinha retorna clandestinamente a Curitiba para visitar uma namorada e acaba preso. Foram dois dias na sede da DOPS na Rua João Negrão e mais trinta dias sob a custódia da Polícia Militar. Barbaramente torturado, com afogamento e choque elétrico, Cândido foi internado numa clínica psiquiátrica devido à síndrome de pânico. Ainda se recuperando, após um surto, foi preso pela segunda vez e levado para o Quartel do Exército na Praça Rui Barbosa, onde foi novamente submetido a novas atrocidades. Depois de um longo período internado num hospital psiquiátrico em São Paulo, em 1978 se mudou para Maringá e nos primeiros anos ainda tentou retomar as atividades profissionais como entregador e revisor de jornais e revistas da cidade.

Mesmo absolvido dos processos, Cândido passou a carregar as sequelas que o acompanham até hoje. Em seu depoimento, conta que de 1978 a 1995 permaneceu em silêncio total por medo de revelar segredos que pudessem comprometer os companheiros. Atualmente, medicado e em tratamento, já consegue falar sobre os suplícios sofridos e afirma estar pronto para registrar suas memórias.

 

Voltar para depoimentos

Visite-nos:

Rua Voluntários da Pátria, 475, Ed. Asa

Escritório: conjunto 1209, 12º andar

Mini auditório: conjunto 608, 6º andar

Centro - Curitiba/Pr - 80020-000

Fone: ++ 41 3079-1759